Procedimentos do paciente

Consulta com o cirurgião

Caso você esteja sofrendo de um problema de quadril ou joelho, discuta com seu médico que ele irá encaminhá-lo para um cirurgião ortopédico.

Depois de estar com seu prontuário médico pronto (carta do seu médico geral ou reumatologista, exames radiológicos e clínicos e histórico médico completo), o cirurgião poderá recomendar um tratamento conservador ou cirúrgico. Se uma cirurgia for considerado necessário, o procedimento técnico, bem como as possíveis complicações, serão descritos para vocês em detalhes durante a consulta. Esta consulta será realizada algumas semanas antes do procedimento. Ao final da consulta, você receberá uma ficha com as informações; você deve lê-la atentamente e, em seguida, datar e assinar para que esse documento seja anexado ao seu prontuário médico antes da cirurgia, conforme exigido pelos planos de saúde.

O seu cirurgião irá falar sobre os benefícios do procedimento e também os riscos e complicações que podem ocorrer durante e após o procedimento cirúrgico.

O seu cirurgião irá fornecer-lhe informações pós cirúrgicas: protocolo de reabilitação, indicações e limitações do uso de seu implante articular.

 

Você e seu cirurgião concordaram que você receberá uma implante de joelho ou quadril. Para tanto, os seguintes exames e consulta são obrigatórios a partir de agora:

  •  Exame de sangue
  •  Consulta com cardiologista
  •  Exames para infecção:
    • Exame de urina
    • Raio-x odontológico panorâmico para ser verificado pelo seu dentista
  •  Consulta com anestesista: trazer consigo todos os resultados dos testes, bem como a prescrição para o tratamento atual.

 

A triagem para qualquer foco de infecção (dental, sinusite, infecção urinária, etc.) é essencial. Na realidade, os micróbios que estão presentes no corpo podem contaminar o implante e causar uma infecção.

A triagem para fatores de risco que podem contribuir para complicações pós operatórias imediatas e/ou subsequentes ao desgaste ou afrouxamento do implante também é importante. Os principais riscos são:

  •  Diabetes
  •  Síndrome de dor regional complexa (SDCR)
  •  Epilepsia – Mal de Parkinson
  •  Corticosteroide ou tratamento imunossupressor
  •  Infecção remota ou uma infecção local crônica ou latente
  •  Obesidade (20% acima do peso normal)
  •  Histórico de trombose venosa